A ÚLTIMA FREIRA

Categorias:
Escalões:
4

SINOPSE

O decreto de 28 de Maio de 1834, de Joaquim António de Aguiar, que ficou conhecido pela alcunha de Mata-Frades, declara, logo no primeiro dos seus cinco artigos: Ficam desde já extintos em Portugal, Algarve, ilhas adjacentes e domínios portugueses todos os conventos mosteiros, colégios, hospícios e quaisquer casas religiosas de todas as ordens regulares, seja qual for a sua denominação, instituto ou regra. Todos os seus haveres serão integrados nos bens próprios da Fazenda Nacional.

Nos mosteiros femininos, foi autorizada a permanência das senhoras que aí residiam, até à sua morte.

Em 1883, ainda residiam no mosteiro de Arouca:

D. Maria da Piedade Pinto Guedes de Amorim, que viria a falecer nesse ano; D. Maria Guilhermina de Almeida Carvalhais, falecida dois anos depois; e D. Maria José Gouveia Tovar Meneses natural de Fontarcada, Sernancelhe, filha de Alexandre José de Gouveia e D. Matilde Olímpia de Meneses.

Tomou o hábito de noviça em 10 de Agosto de 1812 e professou em 26 de Agosto de 1813.

Faleceu em 3 de Julho de 1886 e jaz na Casa do Capítulo, na sepultura nº.18.

Depois de 1834, as rendas cessaram, os serviçais foram dispensados, o edifício do mosteiro entra em ruína.

A falta de dinheiro para suprir as despesas de alimentação, levou à venda de património diverso: um candelabro de prata, com 24 lumes, que estava no tecto da igreja e a banqueta de prata do Altar da Rainha Santa e o seu produto se gastou na Ordem pela precisão em que ela estava de não haver nem cinco reis.

Venderam-se os cálices góticos, em prata dourada, a João Allen. A necessidade chegou ao ponto de as freiras terem de retirar dinheiro do cofre da Rainha Santa. Apagaram-se as candeias que iluminavam os altares «por o azeite estar muito caro».

Às portas do celeiro nunca mais foram distribuídas esmolas aos pobres.

 

Ficha Artística

Texto e Encenação José Carretas
Cenografia José Carretas e Nuno Lucena
Figurinos Margarida Wellenkamp
Música Conjunto Etnográfico de Moldes de Danças e Corais Arouquenses
Desenho de Luz Eduardo Pousa e Pedro Cunha
Conjunto Etnográfico de Moldes de Danças e Corais Arouquenses
Elenco Teresa Faria, Helena Faria, Ricardo Leite, Tiago Correia, Andreia Ruivo
Colaboração Científica Prof. Manuel Moreira da Rocha
Coordenação e Gestão de Projeto Margarida Wellenkamp
Produção Executiva Miguel Carvalho e Vera Miranda
Assistência de Figurinos Cláudia Ribeiro
Execução de Cenografia João Melo, José Carretas, Nuno Lucena, Jorge Fonseca
Pintura de Cenário 2 CSM
Conservação e Restauro, Rui Blimundo, Ana Carretas de Matos
Execução de Figurinos António Saldanha
Operação de Luz e Som Pedro Cunha
Registo de Vídeo Andreia Teixeira
Design Gráfico José Lessa
Agradecimentos Cristina Martins, Evelina Marques, Fernando Matos Almeida, Isabel Rodrigues, José Manuel Castro, Paulo Miguel Campos, Pedro Barbosa, Pedro Maia, Rui Martelo. Câmara Municipal de Arouca

Duração 80 mins., Público M/12