O Último Voo da TartarugaProjecto Ruínas

Categorias:
Escalões:
6

SINOPSE

A tartaruga é centenária, mas está na meia-idade. É normal para uma tartaruga gigante. Está tudo bem, exames à próstata e tudo. Está bem e inspirada. A outra, a fêmea, disponível. É jovem e tem os ovários sãos. Certificados pela equipa veterinária. Passa o dia a ruminar, porque agora desde que se tornou numa cobaia da ciência, já não tem que procurar alimento. A corte começa com os habituais gestos e afirmações de potência e virilidade. Mas é um processo demorado e burocrático. Um lento e complexo ritual. Cada detalhe conta: a firmeza do pescoço, a espuma branca que jorra dos cantos da boca a cada resfolegada, a dança pesada dos cascos patudos… de repente toca o telemóvel do tratador. É uma mensagem. Tem um familiar no hospital, não interessa quem… ok, a mulher está aumentar os peitos, satisfeito? Ele, sim. A tartaruga distrai-se com a comunicação. Desinteressa-se da fêmea que volta à ruminação. A espécie está condenada desta vez. Talvez amanhã haja mais porque os ovários dela são coisa de muita precisão.

 

Ficha Artística

Texto Francisco Campos
Interpretação Francisco Campos, Catarina Caetano
Espaço Cénico Nuno Borda d’Água
Desenho Luz Nuno Patinho
Apoio à criação Sara Graça
Grafismo Miguel Rocha
Produção Sandra Coelho
Co-produção Projecto Ruínas – O Espaço do Tempo
Apoios Câmara Municipal de Montemor-o-Novo – Direcção Regional de Cultura do Alentejo Fundação Eugénio de Almeida – Oficinas do Convento

Duração 60 mins., Público M/16