A CULTREDE

A CULTREDE tem a sua origem numa rede de programação cultural informal concebida e criada pela Cultideias em 2006 e na qual participaram, ao longo de sete edições, mais de trinta municípios.

Em 2013, a gestão da CULTREDE fica a cargo da HOPE THE BEST, empresa criada por dois dos colaboradores no projecto, dando assim continuidade a esta rede que tem vindo a consolidar-se e a afirmar-se como um projecto cultural de referência, assumindo como valores essenciais a Qualidade, a Diversidade e a Descentralização.

No âmbito da CULTREDE, realizaram-se nestes últimos 8 anos mais de 800 espectáculos e outras actividades culturais, estimando-se que tenham assistido aos espectáculos ou participado nas diferentes actividades mais de 100.000 pessoas.

A CULTREDE assegurou uma rede de cooperação que deu suporte e sustentabilidade a uma programação cultural diversificada, regular, acessível e mobilizadora de públicos muito diferenciados.

Entre 2009-2011 a CULTREDE deu suporte a uma candidatura ao primeiro concurso do Regulamento Específico ‘Redes de Equipamentos Culturais – Programação Cultural em Rede’, a qual integrou 18 municípios, liderada pelo Município de Leiria.

Entre 2011-2013, acolheu uma rede estruturada de 9 municípios, liderada pelo Município de Seia, que integraram uma candidatura aprovada no âmbito do Regulamento Específico ‘Redes de Equipamentos Culturais – Programação Cultural em Rede’ (QREN).

No âmbito das duas candidaturas referidas, integraram a CULTREDE os municípios de Alcanena, Alcochete, Alijó, Castelo Branco, Estarreja, Figueira da Foz, Gouveia, Leiria, Nisa, Oeiras, Paredes de Coura, Pombal, Ponte de Lima, Póvoa de Lanhoso, Rio Maior, Santarém, Santiago do Cacém, Seia e Sesimbra, a que se juntaram, fora do âmbito das candidaturas, os Municípios de Faro e da Marinha Grande e a Junta de Freguesia de Caparica.

A CULTREDE

HOJE

A CULTREDE hoje, gerida pela HOPE THE BEST, mantém-se como uma rede informal de  programação cultural, estando aberta à adesão de qualquer  entidade pública ou privada.

A CULTREDE hoje, encontra-se num processo de reestruturação, tendo como objectivo uma maior ligação aos parceiros e aos artistas, propondo a ambos “uma relação cultural de longa duração”, uma relação profissional e personalizada.

Aos  nossos parceiros propomos opções acessíveis e de qualidade , a possibilidade, nesta época de crise, de  construir uma programação cultural regular.  Aos artistas  propomos uma ampla promoção dos seus projectos  através de todos os meios de que dispomos (catálogo, site, etc.) bem como  experiência e cuidado ao serviço  do espectáculo.

Neste processo de reestruturação pretende-se ainda, alargar o âmbito de intervenção da CULTREDE para o sector privado e para o terceiro sector, diversificando a natureza das entidades e organizações parceiras.

ADERIR

AO CULTREDE

A adesão à CULTREDE é muito simples, basta, para tal, a aquisição de um qualquer espectáculo do catálogo. O catálogo é actualizado todos os anos, com um conjunto de espectáculos criteriosamente selecionados.

O parceiro aderente beneficiará, designadamente e entre outros, do direito a participar nas estruturas da rede, da possibilidade de propor projectos para os catálogos de programação e do fornecimento de materiais de divulgação e promoção comuns.

A CULTREDE assegura a produção integral da programação, incluindo os custos de deslocação, alimentação e estadia de todas as pessoas envolvidas na realização dos espectáculos e actividades.

A adesão à CULTREDE, mesmo numa opção de menor dimensão e custo, permite sempre garantir programação de qualidade, diversificada e regular, por um preço inferior ao de um só “grande concerto”.

A adesão à CULTREDE pressupõe a integração da programação de cada parceiro, numa estratégia de divulgação comum e partilhada por todos os parceiros, através do site, redes sociais e newsletters.

Os preços incluem os cachets artísticos e todas as despesas de produção (deslocações, alimentação e estadias) com excepção de som e luz quando necessários, e são acrescidos de IVA à taxa legal em vigor.